Não me deixes ter frio

Eu sei, sei que és tu. Bem lá no fundo, na parte em que tudo sinto, eu percebo-o. De repente, pintas uma paisagem no meu quadro, apenas duas pessoas de mão dada a correr sob a relva, respirando o leve vento que inclina as árvores, olhando para as borboletas que por ali passam.

O frio instala-se no meu corpo, a insegurança voa nas minhas mãos, esperando que a sopres para longe. Tocas-me, dás-me um beijo suave e sentido, sorris, conquistas-me e vais-te embora. Dou-te uma folha de papel e um lápis, observas-me e desenhas, com entusiasmo, os nossos corações. Abraças-me, sentes-me e apagas o frio que há em mim. Então, eu seguro a tua mão e coloco-a no meu peito, no meu pensamento, e é aí que ouves o teu nome.

publicado por escreve-me às 18:57 | link do post | Escrevo-lhe | partilhar